Guilherme Bergamini
Educação para todos

    Sociedades democráticas pressupõem cidadãos educados, isto é, bem informados e críticos, tanto porque se requer que eles sejam capazes de formar conscientemente suas preferências e escolher entre alternativas distintas, tanto porque se supõe que devam fiscalizar seus representantes e agir na política diretamente, quando necessário.
Nesse contexto, a educação é considerada um direito universal e, consequentemente, um dever do Estado, que deve provê-la gratuitamente e com qualidade a toda a comunidade que governa.
    O Brasil, marcado pelo seu passado profundamente desigual e injusto, vive ainda no século XXI o desafio de garantir esse bem essencial a seu povo.
    E a democracia brasileira parece ser, então, um sonho ainda mais distante quando se nota, por um lado, que nossa carência de educação pública inicia-se por sua dimensão mais elementar – a do espaço físico das escolas – e, por outro lado, que se priva, sobretudo, precisamente aqueles que por ela mais poderiam ser beneficiados: as crianças do país.

Marcelo Sevaybricker Moreira
Professor Adjunto de Ciência Política da Universidade Federal de Lavras (UFLA)